Home
:: www.imebi.com.br ::

Reposição Hormonal Masculino:

Muitos estudos têm se preocupado com as mudanças hormonais que ocorrem em homens durante o envelhecimento. São tentativas bem sucedidas de determinar se o declínio da testosterona tem relação ao humor rebaixado no idoso e, também, determinar se esse hormônio pode ser útil no tratamento da depressão senil masculina.

Margolese publicou em 2000 os resultados de uma busca exaustiva de artigos na MEDLINE, de 1966 a 1999, sobre a questão de uma figurativa menopausa masculina. Há, sem dúvida, um declínio moderado da testosterona total e um declínio mais significativo da testosterona bio-disponível em homens no envelhecimento.

Os homens idosos com humor rebaixado parecem ter níveis mais baixos de testosterona que seus pares sem alterações do humor. Em homens com normalidade hormonal, a reposição de testosterona não tem um efeito significativo no humor, entretanto, em homens com hipofunção de testosterona, alguns estudos mostram um efeito positivo do tratamento com esse hormônio. Em diversos estudos encontrou constatações da eficácia da testosterona como alívio do quadro depressivo em homens com baixas concentrações desse hormônio. Os efeitos colaterais principais da testosterona incluem o aumento do hematócrito (aumento da viscosidade sangüínea), do metabolismo de gorduras e do volume da próstata.

A reposição de testosterona como tratamento preliminar ou coadjuvante da Depressão no idoso pode ser útil, principalmente naqueles pacientes com hipofunção gonádica e que não respondem muito bem aos antidepressivos convencionais (Margolese, 2000).

Ocorre ainda, que a investigação científica exaustiva em se estabelecer parâmetros para uma menopausa masculina, também chamada de andropausa, chegou-se à determinação de um quadro muito mais amplo que justifica-se chamar de somatopausa.

Somatopausa, devido ao decréscimo do Hormônio do Crescimento (GH). Constatou-se que a partir dos 40 anos, ocorre uma diminuição gradual dos níveis hormonais estipulado de 1% ao ano. Então podemos encontrar níveis diminuídos, num homem após os 40 anos, não só de testosterona mas também de Hormônio do Crescimentoe as sub-unidades mais comuns de se dosar que são o IGF-1 e IGFBP3, DHEA(Dihidroepiandrosterona) cuja subunidade mais comum e fácil de se dosar é a DHEA-S, Testosterona Total e Livre, e ainda encontraremos alterações nas concentrações de Colesterol Total, além de HDL e LDL, Estrógeno, LH e FSH.

Pode-se notar, portanto um desarranjo de todo o eixo hormonal.

A partir dessa visão mais ampla do envelhecimento, chega-se à constatação de que os efeitos fisiológicos do declínio do eixo hormonal, comandado pelo Hormônio do crescimento, apresenta-se com:

- Aumento de adiposidade abdominal;
- Redução de massa corporal magra;
- Diminuição da capacidade de consumo de oxigênio;
- Redução de capacidade e força para exercícios físicos;
- Diminuição da densidade mineral óssea, levando potencialmente à osteoporose e aumento no risco de fraturas;
- Aumento da mortalidade em virtude de doenças cardiovasculares;
- Redução da massa ventricular esquerda e diminuição da função cardíaca sistólica;
- Aumento dos níveis sanguíneos de lipídios;
- Pele fina e seca;
- Extremidades frias;
- Acesso venoso difícil;
- Resistência à insulina.

Efeitos psicológicos do déficit de Hormônio do Crescimento:

- Depressão;
- Redução de vitalidade e energia;
- Menores níveis de sono profundo;
- Ansiedade;
- Isolamento social;
- Instabilidade emocional.

Espera-se que a reposição de Hormônio do Crescimento irá corrigir os itens citados acima. Mas sua administração isolada não trás grandes benefícios. É necessária a suplementação de todo o eixo hormonal, para que se possa atingir o máximo de performance fisiológica, promovendo uma revitalização orgânica.

Reposição de DHEA:

- Aumenta a imunidade;
- Aumenta massa óssea;
- Retarda o envelhecimento;
- Potente antinflamatório, principalmente ao nível de Sistema Nervoso Central;
- Cardio protetor;
- Protege contra a Aterosclerose;
- Protege contra a oxidação de LDL;
- Neuroprotetor;
- Precursor dos hormônios sexuais e corticosteróides.

Reposição de Melatonina:

- Papel regulatório sobre a ação e síntese de corticóides (ação inibitória), hormônios tireoideanos
(TSH – Estimulando sua ação), e com os hormônios sexuais (regulando a liberação);
- Potente antioxidante;
- Poderoso regulador do sono, induzindo ao sono REM (Rapid Eyes Movement – sono profundo);
- Estimilador do sistema imunológico.

Reposição de Testosterona

- Melhora da Depressão;
- Diminuição da irritabilidade e alterações de humor;
- Melhora da libido;
- Ação direta sobre o Sistema Nervoso Periférico e Central;
- Aumento da massa óssea;
- Diminuição de adipócitos (massa gorda);
- Aumento da musculatura (massa magra);
- Melhora do tônus da pele;
- Melhora da integridade do endotélio vascular;
- Diminuição da próstata
- Deve-se ter cuidado com câncer de próstata em pacientes com testosterona baixa.

De posse de tantas dosagens hormonais, o que fazer?

Elaborou-se um cálculo denominado de Índice de Atividade Androgênica,para determinar a andropausa, e a necessidade de reposição hormonal. Utiliza-se as dosagens de Testosterona Total / SHBG x 0,0347. Os resultados de 0,7 a 1,0 estão dentro da normalidade. Abaixo de 0,7 instala-se a Andropausa, portanto passível de reposição hormonal. O mais importante na reposição hormonal é analisarmos cada paciente individualmente e com critérios muito bem estabelecidos. Verificarmos a necessidade da indicação adequada de cada hormônio e sua melhor dosagem. Buscando uma ótima performance do organismo, sem que possamos incorrer em erros de superdosagem. Uma reposição hormonal que, de certa maneira, mimetize os níveis fisiológicos pode se prolongar por muito tempo, atentando-se para a necessidade imperiosa do controle exaustivo de todo o eixo hormonal e seus metabólitos.

Assim, estaremos promovendo uma longevidade com ótima qualidade de vida.

Clique e Leia:

- Alterações Hormonais
- Reposição Hormonal Feminina



 
Home Voltar Topo Imprimir


Desenvolvimento e Hospedagem de Sites